Arquivo da tag: Quintana

Poema da Gare do Astapovo (por Mario Quintana)

“O velho Leon Tolstoi fugiu de casa aos oitenta anos E foi morrer na gare de Astapovo! Com certeza sentou-se a um velho banco, Um desses velhos bancos lustrosos pelo uso Que existem em todas as estaçõezinhas pobres do mundo, … Continuar lendo

Publicado em Poesia, Procura da Poesia | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

Ai de ti, ó velho mar profundo…

Após as três derrotas sofridas na concorrência por uma desejada vaga na ABL (em todas elas perdendo a indicação para poetas sem poesia pelo dedaço de algum agente político), Quintana escreve seu Poeminha do Contra. Acossado por jornalistas sem notícia … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Belas Artes, Poesia | Marcado com , , , , , , | Deixe um comentário

Dorme ruazinha… é tudo escuro… (por Mario Quintana)

“Dorme ruazinha… É tudo escuro… E os meus passos, quem é que pode ouvi-los? Dorme teu sono sossegado e puro, Com teus lampiões, com teus jardins tranquilos… Dorme… Não há ladrões, eu te asseguro… Nem guardas para acaso perseguí-los… Na … Continuar lendo

Publicado em Poesia | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

Psicanálise em Ondas

Fran Lebowitz, a escritora estadunidense que já possui o cômico inscrito nas entrelinhas de seu nome (witz é a palavra que o velho Freud, no seu alemão vernáculo, escolheu para se referir aos chistes como produções do Inconsciente) é autora … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Amor, Ódio e Ignorância, Ec-sistire, Mundo, vasto mundo..., Vida na Polis | Marcado com , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

A Gente Ainda não Sabia… (por Mario Quintana)

“A gente ainda não sabia que a Terra era redonda. E pensava-se que nalgum lugar, muito longe, Deveria haver num velho poste uma tabuleta qualquer – uma tabuleta meio torta E onde se lia em letras rústicas: FIM DO MUNDO. … Continuar lendo

Publicado em Ec-sistire, Mundo, vasto mundo..., Poesia, Procura da Poesia | Marcado com , , | 4 Comentários

Fragmento de Nova Antologia Poética (por Quintana)

“Oh! aquele menininho que dizia “Fessora, eu posso ir lá fora?” Mas apenas ficava um momento Bebendo o vento azul… Agora não preciso pedir licença a ninguém. Mesmo porque não existe paisagem lá fora: Somente cimento. O vento não mais … Continuar lendo

Publicado em Mundo, vasto mundo..., Passagem das Horas, Poesia, Tempo | Marcado com , , , , , | 2 Comentários

Poeminha Sentimental (por Mario Quintana)

“O meu amor, o meu amor, Maria É como um fio telegráfico da estrada Aonde vêm pousar as andorinhas… De vez em quando chega uma E canta (Não sei se as andorinhas cantam, mas vá lá!) Canta e vai-se embora … Continuar lendo

Publicado em Amor, Ódio e Ignorância, Ec-sistire | Marcado com , , , | 2 Comentários