Arquivo da tag: Fernando Pessoa

Carta 36 (de Fernando Pessoa a Ophélia de Queiroz)

Ophelinha, Agradeço a sua carta. Ela trouxe-me pena e alívio ao mesmo tempo. Pena, porque estas coisas fazem sempre pena; alívio, porque, na verdade, a única solução é essa – o não prolongarmos mais uma situação que não tem já … Continuar lendo

Publicado em Amor, Ódio e Ignorância, Ec-sistire | Marcado com , , , , , , , , | Deixe um comentário

Fotobiografia dos Anos de Exílio de Fernando Pessoa

“A minha infância decorreu serena (…), recebi uma boa educação. Mas, desde que tenho consciência de mim mesmo, apercebi-me de uma tendência nata em mim para a mistificação, para a mentira artística. Junte-se a isto um grande amor pelo espiritual, … Continuar lendo

Publicado em Amor, Ódio e Ignorância, Ec-sistire, Mundo, vasto mundo..., Passagem das Horas, Poesia | Marcado com , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Quero o Ignorado (por Fernando Pessoa)

“Quero ignorado, e calmo Por ignorado, e próprio Por calmo, encher meus dias De não querer mais deles. Aos que a riqueza toca O ouro irrita a pele. Aos que a fama bafeja Embacia-se a vida. Aos que a felicidade … Continuar lendo

Publicado em Poesia | Marcado com , , , , , , | Deixe um comentário

Atualização

Atualizado o post Monstrengo com a narrativa do poema por Paulo Autran. Confiram aqui.

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Diário | Marcado com , , | Deixe um comentário

Clareia Cinzenta a Noite de Chuva (por Fernando Pessoa)

“Clareia cinzenta a noite de chuva, Que o dia chegou. E o dia parece um traje de viúva Que já desbotou. Ainda sem luz, salvo o claro do escuro, O céu chove aqui, E ainda é um além, ainda é … Continuar lendo

Publicado em Literatura, Poesia | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

Chove. Que Fiz Eu da Vida? (por Fernando Pessoa)

“Chove. Que fiz eu da vida? Fiz o que ela fez de mim… De pensada, mal vivida… Triste de quem é assim! Numa angústia sem remédio Tenho febre na alma, e, ao ser, Tenho saudade, entre o tédio, Só do … Continuar lendo

Publicado em Ec-sistire, Literatura, Poesia | Marcado com , | 2 Comentários

Ilumina-se a Igreja por Dentro da Chuva deste Dia (por Fernando Pessoa)

“Ilumina-se a igreja por dentro da chuva deste dia, E cada vela que se acende é mais chuva a bater na vidraça… Alegra-me ouvir a chuva porque ela é o templo estar aceso, E as vidraças da igreja vistas de … Continuar lendo

Publicado em Literatura, Poesia | Marcado com , | Deixe um comentário