Arquivo da tag: Manuel Bandeira

O Anel de Vidro (por Manuel Bandeira)

“Aquele pequenino anel que tu me deste, – Ai de mim – era vidro e logo se quebrou… Assim também o eterno amor que prometeste, – Eterno! era bem pouco e cedo se acabou. Frágil penhor que foi do amor … Continuar lendo

Publicado em Amor, Ódio e Ignorância, Literatura, Tempo | Marcado com , , , , , , | Deixe um comentário

Balada do Rei das Sereias (por Dorival Caymmi e Manuel Bandeira)

  “O rei atirou Seu anel ao mar E disse às sereias: – Ide-o lá buscar, Que se o não trouxerdes Virareis espuma Das ondas do mar! Foram as sereias, Não tardou, voltaram Com o perdido anel Maldito o capricho … Continuar lendo

Publicado em Amor, Ódio e Ignorância, Belas Artes, Música, Poesia | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

Mar Bravo (por Manuel Bandeira)

“Mar que ouvi sempre cantar murmúrios Na doce queixa das elegias, Como se fosses, nas tardes frias De tons purpúreos, A voz de minhas melancolias: Com que delícia neste infortúnio, Com que selvagem, profundo gozo, Hoje te vejo bater raivoso, … Continuar lendo

Publicado em Amor, Ódio e Ignorância, Mundo, vasto mundo..., Vida na Polis | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Oração de Fazer Poeta

Meu caro Santo Drummond Bandeira de São Manuel, Carente está meu papel D’um verso denso e bom. Com métrica, rima e som Mandai-me do último céu, Um verso talhado a cinzel Oh Santos da letra do dom. Se a Moderna … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...) | Marcado com , , , , , , , | 8 Comentários

Trecho de Flauta de Papel (por Manuel Bandeira)

“— Era leproso. — E morreu de lepra? — Morreu. Mas além de leproso era tuberculoso. — Coitado! — E tinha sífilis também. — Era exagerado.”

Publicado em Passagem das Horas, Poesia | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Soneto Inglês n° 1 (por Manuel Bandeira)

“Quando a morte cerrar meus olhos duros – Duros de tantos vãos padecimentos, Que pensarão teus peitos imaturos Da minha dor de todos os momentos? Vejo-te agora alheia, e tão distante: Mais que distante – isenta. E bem prevejo, Desde … Continuar lendo

Publicado em Amor, Ódio e Ignorância, Poesia | Marcado com , , , , , , | 2 Comentários

Evocação do Recife (por Manuel Bandeira)

* Narração do próprio Manuel Bandeira “Recife Não a Veneza americana Não a Mauritsstad dos armadores das Índias Ocidentais Não o Recife dos Mascates Nem mesmo o Recife que aprendi a amar depois – Recife das revoluções libertárias Mas o … Continuar lendo

Publicado em Arquitetura, Belas Artes, Ec-sistire, Mundo, vasto mundo..., Poesia | Marcado com , , , , , , , | 4 Comentários