Palhaço (executado por Baden Powell)

“Sei que é doloroso um palhaço Se afastar do palco por alguém Volta, que a plateia te reclama Sei que choras palhaço Por alguém que não lhe ama. Enxuga os olhos E me dá um abraço Não te esqueças Que és um palhaço Faça a plateia gargalhar Um palhaço não deve chorar.” (Música de Oswaldo…

Nel mezzo del camin… (por Olavo Bilac)

“Cheguei. Chegaste. Vinhas fatigada E triste, e triste e fatigado eu vinha. Tinhas a alma de sonhos povoada, E a alma de sonhos povoada eu tinha… E paramos de súbito na estrada Da vida: longos anos, presa à minha A tua mão, a vista deslumbrada Tive da luz que teu olhar continha. Hoje, segues de…

Soneto Inglês n° 1 (por Manuel Bandeira)

“Quando a morte cerrar meus olhos duros – Duros de tantos vãos padecimentos, Que pensarão teus peitos imaturos Da minha dor de todos os momentos? Vejo-te agora alheia, e tão distante: Mais que distante – isenta. E bem prevejo, Desde já bem prevejo o exato instante Em que de outro será não teu desejo, Que…

Porquinho-da-Índia (por Manuel Bandeira)

“Quando eu tinha seis anos Ganhei um porquinho-da-índia. Que dor de coração eu tinha Porque o bichinho só queria estar debaixo do fogão! Levava ele pra sala Pra os lugares mais bonitos, mais limpinhos, Ele não se importava: Queria era estar debaixo do fogão. Não fazia caso nenhum das minhas ternurinhas… – O meu porquinho-da-índia…

aMuro

  “Entre l’homme et la femme, Il y a l’amour. Entre l’homme et l’amour, Il y a un monde. Entre l’homme et le monde, Il y a un mur.” (Versão de Jacques Lacan, encontrada no seminário “O Saber do Psicanalista”, para o poema de Antoine Tudal. Lacan aperfeiçoa a fórmula e aprofunda o enigma permutando…

Necrológio dos Desiludidos do Amor (por Drummond)

“Os desiludidos do amor estão desfechando tiros no peito. Do meu quarto ouço a fuzilaria. As amadas torcem-se de gozo. Oh quanta matéria para os jornais. Desiludidos mas fotografados, escreveram cartas explicativas, tomaram todas as providências para o remorso das amadas. Pum pum pum adeus, enjoada. Eu vou, tu ficas, mas nos veremos seja no…

Tristeza no Céu (por Carlos Drummond de Andrade)

“No céu, também, há uma hora melancólica Hora difícil em que a dúvida penetra as almas Por que fiz o mundo? Deus se pergunta e se responde: “Não sei” Os anjos olham-no com reprovação e plumas caem Todas as hipóteses A graça, a eternidade, o amor, caem São plumas Outra pluma, o céu se desfaz…

O Amor Acaba (por Paulo Mendes Campos)

“O amor acaba. Numa esquina, por exemplo, num domingo de lua nova, depois de teatro e silêncio; acaba em cafés engordurados, diferentes dos parques de ouro onde começou a pulsar; de repente, ao meio do cigarro que ele atira de raiva contra um automóvel ou que ela esmaga no cinzeiro repleto, polvilhando de cinzas o…

Aquela mulher do demo

Disponibilizei no post onde transcrevo o texto de Caso do Vestido o áudio da narração feita pelo próprio Drummond. Na narrativa grave de seu autor, sentimos pungentemente como a dona de longe, antes mergulhada em soberba, foi inteiramente desfalcada em nome do que fatalmente cede na continuidade do amor. “Eu não tinha amor por ele,…

Flechas, humor, amor

Flechas e humor. Flechas no coração de sofredor de todos os que sangram solidão amorosa. “Il n’y a pas de rapport sexuel”, poucas vezes na história foram pronunciadas palavras tão sábias, Lacan sabia mesmo das coisas. Isso ilumina o mundo e nossa condição. Humor sobre nossa condição tão contradita como véu sobre e no masoquismo…

A Chama (por Ascenso Ferreira)

“Na minha vida cruel e avara és irrequieta chama clara iluminando a solidão Porém repara bem, repara e vê se a  nada se compara o imenso horror desta aflição: Se acaricio a chama clara, a chama queima a minha mão!” (Por Ascenso Ferreira) * A Chama (Narrado por Paulo Autran)

Um Vestido Para Cobrir nossa Solidão

Psicanálise, Filosofia e Poesia estão juntas, se co-pertencem     cruel- mente. Quando enlaçadas de modo borromeano dizem do ser do homem. Embora não sejam saberes harmônicos no sentido de que uma possa necessariamente ser dedutível da outra, ao seu modo falam do homem naquilo que lhe é mais próprio no exercício cotidiano de seu estar aí….