Arquivo da tag: Heidegger

Reflexões de Esperança para o Natal

“Todos os que estão na praça regurgitam a ideia de um além do homem. Todos querem ser o ultimo homem. (…) Que é amor? Que é criação? Que é nostalgia? Que é estrela? – Assim pergunta o último homem e … Continuar lendo

Publicado em Filosofia, Passagem das Horas | Marcado com , , , , , , | Deixe um comentário

Tempo de Carnaval, Restos de Cronos

Herdamos dos gregos (na leitura que deles fizeram os filósofos do medievo) a noção que guardamos de tempo e seus atributos necessariamente quantificáveis, métricos, mensuráveis. No dia-após-dia, residência do tédio conforme o Rei Macbeth, o tempo transcorre como coisa material … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Passagem das Horas, Procura da Poesia, Psicanálise, Satiricômico, Tempo | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

O Silêncio dos Espíritos

Não à toa o Rei Macbeth ao expressar o seu enfado da vida e o desprezo pelo Tempo caracteriza o que vê como um teatro de palhaços agonizantes cheio de “sound and fury”. Som e fúria. Outras duas palavras quaisquer … Continuar lendo

Publicado em Ec-sistire, Filosofia, Fraternidade | Marcado com , , , , | 2 Comentários

Heidegger por Abujamra e Bacic

“Quando a tecnologia e o dinheiro tiverem conquistado o mundo; quando qualquer acontecimento em qualquer lugar e a qualquer tempo se tiver tornado acessível com rapidez; quando se puder assistir em tempo real a um atentado no ocidente e a … Continuar lendo

Publicado em Filosofia, Tempo | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

A Morte do Cisne, a Morte da Arte

Le Carnaval des Animaux é uma peça de Camille Saint-Saëns datada do já distante 1886. Sua beleza que desconhece o envelhecimento a torna atualíssima e capaz de nos comover quase 150 anos depois de passado o contexto de sua produção. … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Belas Artes, Corpo, Música | Marcado com , , , , , , , , , , | 24 Comentários

A queda e a errância ou “como assim não há relação sexual”?

Num trecho célebre de Ser e Tempo (uma das obras máximas de nossa época), Martin Heidegger usa a metáfora da queda (de-cadência/verfallen) para exprimir a existência humana. O termo decadência não exprime nenhuma avaliação negativa: implica antes numa espécie de … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Amor, Ódio e Ignorância, Ec-sistire, Filosofia, Psicanálise | Marcado com , , , , , , , , | Deixe um comentário