Arquivo da tag: Lacan

O dia de que mulher?

Não há somente beleza na afirmação de Platão de que “o tempo é a imagem móvel da eternidade”. Há também, nessa postulação de capital importância, a menor síntese do ocidente em seu percurso oscilante entre uma e outra proposta de … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Amor, Ódio e Ignorância, Mundo, vasto mundo..., Passagem das Horas | Marcado com , , , , , , , | Deixe um comentário

Mulher e Homem… os Litorais da Trama Familiar

Imagem | Publicado em por | Marcado com , , , , , , | Deixe um comentário

Fantasias e Fetiches

Imagem | Publicado em por | Marcado com , , , , , , | Deixe um comentário

Psicanálise em Ondas

Fran Lebowitz, a escritora estadunidense que já possui o cômico inscrito nas entrelinhas de seu nome (witz é a palavra que o velho Freud, no seu alemão vernáculo, escolheu para se referir aos chistes como produções do Inconsciente) é autora … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Amor, Ódio e Ignorância, Ec-sistire, Mundo, vasto mundo..., Vida na Polis | Marcado com , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

O Dia da Criação e a Diferença Sexual

Em nossa primeira infância somos surpreendidos pelo que Freud chamava de penisneid, ou seja, a simbolização da diferença corporal entre menino e menina ou, trocando em miúdos, a incorporação psíquica do que no real da carne surge como não coincidente … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Amor, Ódio e Ignorância, Ec-sistire, Filosofia, Literatura, Música, Poesia, Psicanálise | Marcado com , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

O Psicanalista e a Consciência Social

“Ser psicanalista é simplesmente abrir os olhos para essa evidência de que não há nada mais desbaratado que a realidade humana. Se vocês creem ter um eu bem adaptado, razoável, que sabe navegar, reconhecer o que tem de ser feito … Continuar lendo

Publicado em Amor, Ódio e Ignorância, Psicanálise | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

Tempo de Carnaval, Restos de Cronos

Herdamos dos gregos (na leitura que deles fizeram os filósofos do medievo) a noção que guardamos de tempo e seus atributos necessariamente quantificáveis, métricos, mensuráveis. No dia-após-dia, residência do tédio conforme o Rei Macbeth, o tempo transcorre como coisa material … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Passagem das Horas, Procura da Poesia, Psicanálise, Satiricômico, Tempo | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário