Arquivo da tag: Rio

A Bruxa (por Carlos Drummond de Andrade)

“Nesta cidade do Rio, de dois milhões de habitantes, estou sozinho no quarto, estou sozinho na América. Estarei mesmo sozinho? Ainda há pouco um ruído anunciou vida ao meu lado. Certo não é vida humana, mas é vida. E sinto … Continuar lendo

Publicado em Amor, Ódio e Ignorância, Ec-sistire, Passagem das Horas, Poesia | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

O Rio de Manuel Bandeira e a Apophasis da Noite

Abaixo, narrado pela voz calejada do caminho que nunca lhe levou à Passárgada, Manuel Bandeira nos apresenta um roteiro de travessia para quando a noite vem. A poesia é antes de mais nada uma via de reconciliação com as nossas … Continuar lendo

Publicado em Ec-sistire, Literatura, Poesia | Marcado com , , , , , , , , , , | 3 Comentários

O meu próprio Rio

Resido num condomínio de nome gracioso: Morada dos Rios. A cada bloco compete o nome de um rio europeu célebre: Danúbio, Tamisa, Sena, Tejo e (o mais longo rio europeu onde reino silencioso lá do topo da pequena torre de … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Crônicas, Diário, Ec-sistire, Música, Passagem das Horas | Marcado com , , , , , , , , , , , | 4 Comentários

O Rio (por Guimarães Rosa)

Em visita recente ao Brasil a fim de promover seu mais recente livro de contos, arguido sobre qual a melhor narrativa curta lida em nosso vernáculo o escritor moçambicano Mia Couto respondeu que o texto abaixo é o melhor conto … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Amor, Ódio e Ignorância, Ec-sistire, Mundo, vasto mundo... | Marcado com , , , | 1 Comentário

O Rio (por Manuel Bandeira)

Abaixo apresento aos meus leitores um outro rio. Não o rio espinha de peixe com padrão duro de poeta pretensa e mentirosamente anti-lírico, mas rio caudaloso de lirismo sobressalente e assumido. Em seu “Poética”, Manuel Bandeira se diz farto do … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Ec-sistire, Poesia, Procura da Poesia | Marcado com , , , , , | 5 Comentários

O Rio (por João Cabral de Melo Neto)

De uma recitação fluente e ritmada como o é o fluxo do rio, apresento João Cabral de Melo Neto, um dos maiores poetas de nosso e de todos os idiomas. Cabral é duro como a Pedra que sempre cantou. Dono … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Poesia, Procura da Poesia | Marcado com , , , | 4 Comentários