Cartas, Telegramas e outras Memórias

Organizando minha velha caixa de correspondência redescobri que, até a invenção de e-meio (o meio virtual composto por emails, blogs, microblogs, redes sociais e demais recursos que simulam uma proximidade que é, no máximo, meia) alguns dos eventos fundamentais da minha e de muitas vidas foram prenunciados por carta e anunciados pelo grave telegrama. Desde…

Porquinho-da-Índia (por Manuel Bandeira)

“Quando eu tinha seis anos Ganhei um porquinho-da-índia. Que dor de coração eu tinha Porque o bichinho só queria estar debaixo do fogão! Levava ele pra sala Pra os lugares mais bonitos, mais limpinhos, Ele não se importava: Queria era estar debaixo do fogão. Não fazia caso nenhum das minhas ternurinhas… – O meu porquinho-da-índia…

aMuro

  “Entre l’homme et la femme, Il y a l’amour. Entre l’homme et l’amour, Il y a un monde. Entre l’homme et le monde, Il y a un mur.” (Versão de Jacques Lacan, encontrada no seminário “O Saber do Psicanalista”, para o poema de Antoine Tudal. Lacan aperfeiçoa a fórmula e aprofunda o enigma permutando…

Necrológio dos Desiludidos do Amor (por Drummond)

“Os desiludidos do amor estão desfechando tiros no peito. Do meu quarto ouço a fuzilaria. As amadas torcem-se de gozo. Oh quanta matéria para os jornais. Desiludidos mas fotografados, escreveram cartas explicativas, tomaram todas as providências para o remorso das amadas. Pum pum pum adeus, enjoada. Eu vou, tu ficas, mas nos veremos seja no…

História pra Mineiros de Todos os Estados

Minas há em mim, há de modo total. Um fantasma mineiro me assombra desde minha já perdida infância me recordando que não pertenço aos baixios de uma cidade que esqueceu sua delicadeza nas montanhas. Um dos privilégios que tenho no blog e na vida é de ter como leitores muitos escondedores de leite que deixam…

O Poeta do Castelo

“O Poeta do Castelo” (1959) é um documentário de Joaquim Pedro de Andrade. Com elenco, poesia e narração de Manuel Bandeira, somos convidados a intimamente adentrar no castelo do poeta. Como expectadores silenciosos testemunhamos o decurso de um dia transcorrido em meio a acontecimentos gestos banais e corriqueiros de sua rotina diária: o café da…

Preâmbulo às instruções para dar corda no relógio (por Cortázar)

“Quando dão a você de presente um relógio estão dando um pequeno inferno enfeitado, uma corrente de rosas, um calabouço de ar. Não dão somente o relógio, muitas felicidades e esperamos que dure porque é de boa marca, suíço com âncora de rubis; não dão de presente somente esse miúdo quebra-pedras que você atará ao…

Cinema e Literatura

Episódio do programa Entrelinhas da TV Cultura onde é analisada a obra do diretor de Macunaíma, Joaquim Pedro de Andrade, que tem uma filmografia com obras baseadas em textos de Oswald de Andrade, Manuel Bandeira e Carlos Drummond de Andrade além do próprio Mário de Andrade. Fonte: http://www.tvcultura.com.br/entrelinhas

O Padre, a Moça (fragmento do poema de Drummond)

“1. O padre furtou a moça, fugiu Pedras caem no padre, deslizam A moça grudou no padre, vira sombra, aragem matinal soprando no padre. Ninguém prende aqueles dois, Aquele um Negro amor de rendas brancas. Lá vai o padre, atravessa o Piauí, lá vai o padre, bispos correm atrás, lá vai o padre, lá vai…

Os Dois Vigários (por Drummond)

“Há cinqüenta anos passados, Padre Olímpio bendizia, Padre Júlio fornicava. E Padre Olímpio advertia e Padre Júlio triscava. Padre Júlio excomungava quem se erguesse a censurá-lo e Padre Olímpio em seu canto antes de cantar o galo pedia a Deus pelo homem. Padre Júlio em seu jardim colhia flor e mulher num contentamento imundo. Padre…

Zorba: vida, morte e liberdade

Ontem, em conversa breve de corredor, uma alma generosa de fala macia tentou me consolar falando sobre o alívio que é terminar o mestrado. Posteriormente, digerindo seu convite à paciência, me recordei de uma leitura antiga que gravou na minha mente o que seria a imagem perfeita da liberdade. O fragmento é de “Zorba, o…