Arquivo da categoria: Poesia

Poema da Gare do Astapovo (por Mario Quintana)

“O velho Leon Tolstoi fugiu de casa aos oitenta anos E foi morrer na gare de Astapovo! Com certeza sentou-se a um velho banco, Um desses velhos bancos lustrosos pelo uso Que existem em todas as estaçõezinhas pobres do mundo, … Continuar lendo

Publicado em Poesia, Procura da Poesia | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

Saravá, Vinícius

Vinícius completa hoje 100 anos de seu nascimento e 95 de poesia. Em sua precocidade, talvez ciente do muito a ser feito no fornecimento da beleza com que iria nos cercar, inicia-se poeta aos 5 anos, com caderninho de poemas … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Música, Poesia | Marcado com , , , , , , | Deixe um comentário

Vinícius de Moraes por Vinícius de Moraes

Em um depoimento emocionado, dado em um show ao vivo na Itália ao lado do seu então maior parceiro Toquinho, Vinícius fala sobre sua infância difícil em uma casa de praia, morando ao lado de pescadores depois que seu pai, … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Música, Poesia | Marcado com , , | 1 Comentário

Entrevista com Vinícius de Moraes (por Otto Lara Resende)

Publicado em Música, Poesia | Marcado com , , , , | 1 Comentário

XII Soneto

“Quando a hora dobra em triste e tardo toque E em noite horrenda vejo escoar-se o dia, Quando vejo esvair-se a violeta, ou que A prata a preta tempora assedia; Quando vejo sem folha o tronco antigo Que ao rebanho … Continuar lendo

Publicado em Belas Artes, Passagem das Horas, Poesia | Marcado com , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Fotobiografia dos Anos de Exílio de Fernando Pessoa

“A minha infância decorreu serena (…), recebi uma boa educação. Mas, desde que tenho consciência de mim mesmo, apercebi-me de uma tendência nata em mim para a mistificação, para a mentira artística. Junte-se a isto um grande amor pelo espiritual, … Continuar lendo

Publicado em Amor, Ódio e Ignorância, Ec-sistire, Mundo, vasto mundo..., Passagem das Horas, Poesia | Marcado com , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Quero o Ignorado (por Fernando Pessoa)

“Quero ignorado, e calmo Por ignorado, e próprio Por calmo, encher meus dias De não querer mais deles. Aos que a riqueza toca O ouro irrita a pele. Aos que a fama bafeja Embacia-se a vida. Aos que a felicidade … Continuar lendo

Publicado em Poesia | Marcado com , , , , , , | Deixe um comentário