Cuidado, Festas à Vista

Com alegria fraterna, abraço os frequentadores deste blog que me presentearam neste ano com 40 mil visitas e partilharam, por meio de comentários perspicazes e especiais, tantas impressões sobre literatura, vida e condição humana. São mesmo desnorteantes os caminhos que tomam toda humana produção e com este espaço a regra não se quebrou, entretanto os…

Receita de Ano Novo (por Carlos Drummond)

“Para você ganhar belíssimo Ano Novo cor do arco-íris, ou da cor da sua paz, Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido (mal vivido talvez ou sem sentido) para você ganhar um ano não apenas pintado de novo, remendado às carreiras, mas novo nas sementinhas do vir-a-ser; novo até no coração das…

Passagem do Ano (por Carlos Drummond)

“O último dia do ano não é o último dia do tempo. Outros dias virão e novas coxas e ventres te comunicarão o calor da vida. Beijarás bocas, rasgarás papéis, farás viagens e tantas celebrações de aniversário, formatura, promoção, glória, doce morte com sinfonia e coral, que o tempo ficará repleto e não ouvirás o…

Feliz JazzTown

Como última postagem do odioso Natal, celebração da culpa onde uma amarga tristeza se traveste de uma caricata alegria e um recitado sentimento de confraternização universal que se contradiz a cada mínimo gesto, apresento o Jazz, sempre ele, sobretudo ele a nos curar. Trago três faixas temáticas de minha maior predileção. Iniciando com Charlie Parker,…

Natal com Maria (3)

FRASES DE DEZEMBRO (por Antônio Maria) “Dezembro é o mês de uma infinidade de frases, que se repetem em todos os anos, sempre as mesmas. Vamos lembrar algumas, que estão sendo ditas, desde o dia 1º: “O ano passou num abrir e fechar de olhos” “Você reparou quanta gente conhecida morreu este ano?” “E todas…

Café com Leite (por Antônio Maria)

“É preciso amar, sabe? Ter-se uma mulher a quem se chegue, como o barco fatigado à sua enseada de retorno. O corpo lasso e confortável, de noite pede um cais. A mulher a quem se chega, exausto e, com a força do cansaço, dá-se o espiritualíssimo amor do corpo. Como deve ser triste a vida…

Considerações Sobre o Sono (por Antônio Maria)

“A pessoa que dorme está inteiramente só. *** Quando o homem dorme, o seu rosto se desmarca de todas as tramas e de todos os desgostos. *** Nada enternece mais uma mulher que o rosto do amante, dormindo. *** Ela se debruça sobre a face do amado e descobre que eram simples palavras todas as…

Poema (Anti)Natalino (por Fernando Mota)

NONEL por Fernando Mota “Um dia serei Natal Liberto desse comércio Sem shopping cheque cartão Guichê no aperto de mão Lucro na pele do abraço. Um dia serei estrela Ser sem comércio, poeira Dust stardust compasso. Raio no azul da piscina Lição que a vida não ensina Em si completa: nonada.”

Natal com Maria (2)

Cronista, em qualquer éter onde teu entendimento lúcido e sofrido esteja receba esta infeliz notícia… o Natal e o teu Recife continuam barulhentos, disformes, incoerentes com a poesia que se desprende de suas pontes, rios e praças. Fragmento de CARNAVAL ANTIGO (por Antônio Maria) “No Recife, o Carnaval começava no Natal. Ou melhor, não havia…

Natal com Maria (1)

Fragmento de CANÇÃO DE FIM DE ANO (por Antônio Maria) (…) “Sou o homem real, que sua, que mente, que disfarça, que teme, que inveja e cobiça. Tive e tenho os meus momentos de suicida. Não gosto que me conheçam aquém e além de um homem constantemente exposto ao erro e ao crime. É dever…

Cartão de Natal (por João Cabral de Melo Neto)

“Pois que reinaugurando essa criança pensam os homens reinaugurar a sua vida e começar novo caderno, fresco como o pão do dia; pois que nestes dias a aventura parece em ponto de vôo, e parece que vão enfim poder explodir suas sementes: que desta vez não perca esse caderno sua atração núbil para o dente;…