Tempo de Carnaval, Restos de Cronos

Herdamos dos gregos (na leitura que deles fizeram os filósofos do medievo) a noção que guardamos de tempo e seus atributos necessariamente quantificáveis, métricos, mensuráveis. No dia-após-dia, residência do tédio conforme o Rei Macbeth, o tempo transcorre como coisa material que se perde e se gasta, imagem cuja metáfora primordial é uma ampulheta com seus…

O Gênio da Raça (Ascenso Ferreira e Di Cavalcanti)

“Eu vi o Gênio da Raça!!! (Aposto como vocês estão pensando que eu vou falar de Ruy Barbosa.). Qual! O Gênio da Raça que eu vi foi aquela mulatinha chocolate fazendo o passo de siricongado na terça-feira de carnaval!” (por Ascenso Ferreira)

Saudades do Carnaval

O poeta Ascenso, no ventre de sua poesia, registra em relação aos dias momescos a mesma saudade que vejo ir embora junto com o colorido dos papéis que esvoaçam picados: a nostalgia. Saudades não do Carnaval (que está aí), senão do “Meu Carnaval”. O que se fez do Carnaval? Do nosso Carnaval, poeta Ascenso? O…

Espreitação Bovina

Drummond imagina um simples boi que, de sua ruminação paciente e silenciosa, observa nossa agitação. Sobretudo nesses carnavalescos tempos onde a multidão esconde sua solidão regredindo à ancestralidade da tribo e do totem (que em última instância é o que esse Carnaval evoca) e segue errando e errante diluídos, dispersos e disformes nesse desespero ruidoso…