Saudades do Carnaval

Carnaval

Carnaval

O poeta Ascenso, no ventre de sua poesia, registra em relação aos dias momescos a mesma saudade que vejo ir embora junto com o colorido dos papéis que esvoaçam picados: a nostalgia. Saudades não do Carnaval (que está aí), senão do “Meu Carnaval”. O que se fez do Carnaval? Do nosso Carnaval, poeta Ascenso? O que é isso que hoje se brinca sobre o sagrado nome de Carnaval? O Arlequim da Commedia dell’Arte, Palhaço e escravo que vestia-se de remendos, transformou-se no rapaz musculoso que distribui provocações em busca do embate corporal e beijos roubados à força. As mascaras que obturavam as diferenças sociais e emulavam uma ocasional e bem vinda igualdade transformou-se num abadá que divide as massas e nos afunda ainda mais no abismo social que passa a isolar também os brincantes. Pierrot e Colombina não vagam mais apaixonados, transidos de suspiro e da esperança da definitiva consolação amorosa, em seu lugar permanecem os casais de encontro fácil, sem fantasia e sem motivos (mas com preservativos como ordena hipnopedicamente o Governo) para o sexo fácil e vulgar. A água perfumada com laranja-de-cheiro se transformou num mela-mela inconveniente e provocativo na melhor das hipóteses de água somente. O novo Carnaval se é ruim para a alma é excelente para os negócios e isso parece bastar. Não é mais uma festa pra quem deseja sonhar com um mundo diferente e menos inconveniente, mas um encontro de bêbados impertinentes que se transformam em consumidores autorizados pelo Poder Público a fruir do que de pior existe em nossa Cultura e por ele deveria ser erradicado (no mínimo regulado). O Carnaval atual, diz o poeta, Ascenso, “só resume tremendo delírio de gozo exterior” e eu que não saio de dentro de mim pra nada, muito menos o farei para frevar.

[Meu Carnaval, escrito por Ascenso Ferreira e narrado por Chico Anysio]

Anúncios

Sobre Pedro Gabriel

www.lituraterre.com
Esse post foi publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Poesia e marcado , , , . Guardar link permanente.

8 respostas para Saudades do Carnaval

  1. Marijô disse:

    Pedro, aquele Carnaval no bem dizer do poeta Ascenso, virou alcanfor.
    Foi-se. Como se foram as batalhas de confete, águas de cheiro e talco. Brincar? Nem pensar, o ócio foi expulso para a instalação do mais puro negócio. Bom seu texto, ouvir o poeta por Chico Anysio. Bom Carnaval dentro de você!

  2. Carla disse:

    E a pessoa PAGAR por uma fantasia?? É muita falta de imaginação….

  3. O que é só nosso não sobrevive.

    • Pedro Gabriel disse:

      Poeta, o verso fala de um sentimento que embora pertença a uma minoria não é exclusividade de um só. Sobre sentimentos singulares sou da opinião que o que nos mantém vivos (independentemente de sua permanência ou não) é o que é nosso só.

  4. Kleber Prince disse:

    Olá, Pedro,

    Vi seu texto sobre Clarice no Amalgama.blog.br e me peguei visitando aqui após ler seu texto lá. Muito bom, gostei!

    Posso add seu site na lateral do meu?

    Abraços,

    Kleber

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s