Arquivo da tag: Pai

Fragmento de Sertão

“Eu estava de sentinela, afastado um quarto-de-légua, num alto retuso.  Dali eu via aquele movimento: os homens, enxergados tamanhinho de meninos, numa alegria, feito nuvem de abelhas em flor de araçá, esse alvoroço, como tirando roupa e correndo para aproveitaremde … Continuar lendo

Publicado em Literatura | Marcado com , , , , , , | Deixe um comentário

Dia dos Pais com Drummond

VIAGEM NA FAMÍLIA (Escrito e Narrado por Carlos Drummond de Andrade) “No deserto de Itabira a sombra de meu pai tomou-me pela mão. Tanto tempo perdido. Porém nada dizia. Não era dia nem noite. Suspiro? Vôo de pássaro? Porém nada … Continuar lendo

Publicado em Amor, Ódio e Ignorância, Ec-sistire, Mundo, vasto mundo..., Passagem das Horas, Procura da Poesia, Sertão, Tempo | Marcado com , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Carta a Meu Filho (por Erich Kästner e Drummond)

“Afinal, eu quisera ter um filho Forte e inteligente como essas crianças de hoje. Só uma coisa me falta para esse menino. Falta-lhe apenas a mãe. Não é qualquer moça que serve para esse fim. Há longos anos eu a … Continuar lendo

Publicado em Amor, Ódio e Ignorância, Filosofia, Literatura, Poesia, Tempo | Marcado com , , , , , , , , , | 3 Comentários

Poema de Dia dos Pais

Poema de Finados (por Manuel Bandeira) ———————————————– “Amanhã que é dia dos mortos Vai ao cemitério. Vai E procura entre as sepulturas A sepultura de meu pai. Leva três rosas bem bonitas. Ajoelha e reza uma oração. Não pelo pai, … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Literatura | Marcado com , , , , , , , | 5 Comentários

Janelas Abertas

“Se acaso, por um momento, teu coração, como o de teu pai, ficar vazio, arruma a casa, abre a janela, põe tua roupa nova — para que o vento a caminho, mais uma vez, te arrebate vivo.”  

Publicado em Amor, Ódio e Ignorância, Ec-sistire, Literatura | Marcado com , , , , , | 1 Comentário

Paidos Agogé

  “O filho que não fiz hoje seria homem, ele corre na brisa sem carne e sem nome”, diz Drummond em “Ser”. Em verdade o filho ao qual faz referência, o tal “que viveu meia hora”, foi feito e desfeito … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Amor, Ódio e Ignorância, Diário, Ec-sistire, Mundo, vasto mundo..., Psicanálise | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário