Arquivo do mês: julho 2012

Uma Hora e Mais Outra (por Carlos Drummond de Andrade)

“Há uma hora triste que tu não conheces. Não é a tua tarde quando se diria baixar meio grama na dura balança; não é a da noite em que já sem luz a cabeça cobres com frio lençol antecipando outro … Continuar lendo

Publicado em Amor, Ódio e Ignorância, Literatura, Poesia | Marcado com , | Deixe um comentário

Anoitecer (por Carlos Drummond de Andrade)

“É a hora em que o sino toca, mas aqui não há sinos; há somente buzinas, sirenes roucas, apitos aflitos, pungentes, trágicos, uivando escuro segredo; desta hora tenho medo É a hora em que o pássaro volta, mas de há … Continuar lendo

Publicado em Amor, Ódio e Ignorância, Literatura, Poesia | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

Inocentes do Leblon (por Drummond)

“Os inocentes do Leblon não viram o navio entrar. Trouxe bailarinas? trouxe imigrantes? trouxe um grama de rádio? Os inocentes, definitivamente inocentes, tudo ignoram, mas a areia é quente, e há um óleo suave que eles passam nas costas, e … Continuar lendo

Publicado em Amor, Ódio e Ignorância, Literatura, Poesia | Marcado com , , , , , , | Deixe um comentário

Eu sei, mas não devia (por Marina Colasanti)

“Eu sei que a gente se acostuma. Mas não devia. A gente se acostuma a morar em apartamentos de fundos e a não ter outra vista que não as janelas ao redor. E, porque não tem vista, logo se acostuma … Continuar lendo

Publicado em Amor, Ódio e Ignorância, Mundo, vasto mundo..., Passagem das Horas, Vida na Polis | Marcado com , , , , , , , , | 4 Comentários