Arquivo da tag: Solidão

Profundamente

Como Drummond sou Fazendeiro de Ar. Meu roçado é de palavras, meu gado de ilusão (que foge continuamente na forma de amarga desilusão, verdadeiro e natural sentimento do mundo). Recolhido em minha campânula de vidro sigo meus dias protegido desse … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Amor, Ódio e Ignorância, Diário, Filosofia, Mundo, vasto mundo..., Passagem das Horas | Marcado com , , , , , , , | 2 Comentários

O Poeta do Castelo

“O Poeta do Castelo” (1959) é um documentário de Joaquim Pedro de Andrade. Com elenco, poesia e narração de Manuel Bandeira, somos convidados a intimamente adentrar no castelo do poeta. Como expectadores silenciosos testemunhamos o decurso de um dia transcorrido … Continuar lendo

Publicado em Cinema, Literatura | Marcado com , , , , , , , | 2 Comentários

Lisbon Revisited (por Fernando Pessoa)

  “Não: não quero nada. Já disse que não quero nada. Não me venham com conclusões! A única conclusão é morrer. Não me tragam estéticas! Não me falem em moral! Tirem-me daqui a metafísica! Não me apregoem sistemas completos, não … Continuar lendo

Publicado em Diário, Poesia | Marcado com , , , , , , | 4 Comentários

Os Ombros Suportam o Mundo (por Drummond)

 “Chega um tempo em que não se diz mais: meu Deus. Tempo de absoluta depuração. Tempo em que não se diz mais: meu amor. Porque o amor resultou inútil. E os olhos não choram. E as mãos tecem apenas o … Continuar lendo

Publicado em Belas Artes, Mundo, vasto mundo..., Poesia | Marcado com , , , , | 1 Comentário

O Duplo (por Affonso Romano de Sant’Anna)

“Debaixo de minha mesa tem sempre um cão faminto -que me alimenta a tristeza… Debaixo de minha cama tem sempre um fantasma vivo -que perturba quem me ama. Debaixo de minha pele alguém me olha esquisito -pensando que sou ele. … Continuar lendo

Publicado em Belas Artes, Literatura | Marcado com , , , | 1 Comentário

José (por Drummond)

“E agora, José? A festa acabou, a luz apagou, o povo sumiu, a noite esfriou, e agora, José? e agora, Você? Você que é sem nome, que zomba dos outros, Você que faz versos, que ama, protesta? e agora, José? … Continuar lendo

Publicado em Belas Artes, Literatura | Marcado com , , , , | 3 Comentários

A Sombra em Chamas (por Joaquín Salvador Lavado, o Quino)

Publicado em Belas Artes, Tiras | Marcado com , | Deixe um comentário