Arquivo do mês: junho 2012

O RomanSOMnho do Escricantor

Há 89 anos Tim Finnegans caía. Hoje, quase 90 anos depois, continuamos a ouvir seu corpo rolar pela escada: “The fall (bababadalgharaghtakamminarronnkonnbronntonner-ronntuonnthunntrovarrhounawnskawntoohoohoordenenthurnuk!)” nos reunimos no último e a cada 16 de junho, para apreciar a melodia da sua queda. James Joyce … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Amor, Ódio e Ignorância, Cinema, Literatura | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

Ecos do Bloomsday em Recife

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Literatura | Marcado com , , , , | 1 Comentário

Vinte e cinco anos depois, vinte e cinco vivas a “Os Mortos”

Os Vivos e os Mortos (The Dead, 1987) é um filme extraordinário de um diretor excepcional. Foi dirigido pelo americano John Huston, nascido na pacata Nevada de 1906, há exatos 25 anos, tendo envelhecido muito bem (ambos, aliás, criatura e … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...) | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Convocação para o Bloomsday 2012 em Recife

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Literatura, Música, Psicanálise | Marcado com , , , , , , , | Deixe um comentário

Bloomsday, Finnegans Wake e James Joyce em Recife

O ano de 1904 é decisivo para James Joyce: publica O Santo Ofício (o primeiro de sua vida adulta), escreve O Retrato do Artista Quando Jovem e lapida um esboço de ideia que, futuramente, virá a se chamar Stephen Herói. … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Literatura | Marcado com , , , , , | 1 Comentário

Divagações Sobre o Mesmo Medo (por Alberto da Cunha Melo)

“O medo cria músculos e sólidos ossos nas nuvens do céu. O medo aumenta o perigo e diminui os homens.” (por Alberto da Cunha Melo)

Publicado em Poesia | Marcado com , , , , | 1 Comentário

A Partida (por Augusto Frederico Schmidt)

“Quero morrer de noite. As janelas abertas Os olhos a fitar a noite infinda Quero morrer de noite. Irei me separando aos poucos Me desligando devagar. A luz das velas envolverá meu rosto lívido. Quero morrer de noite. As janelas … Continuar lendo

Publicado em Corpo, Ec-sistire, Música, Mundo, vasto mundo..., Passagem das Horas, Poesia | Marcado com , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário