Pastelaria (por Mário Cesariny)

Em homenagem à vida, esse imenso pastelão azedo, uma bela gargalhada em forma de poesia. PASTELARIA (por Mário Cesariny) “Afinal o que importa não é a literatura nem a crítica de arte nem a câmara escura Afinal o que importa não é bem o negócio nem o ter dinheiro ao lado de ter horas de…

A Partida (por Augusto Frederico Schmidt)

“Quero morrer de noite. As janelas abertas Os olhos a fitar a noite infinda Quero morrer de noite. Irei me separando aos poucos Me desligando devagar. A luz das velas envolverá meu rosto lívido. Quero morrer de noite. As janelas abertas. Tuas mãos chegarão aos meus lábios Um pouco de água E os meus olhos…

07 de Setembro

Tentei passar o dia de modo divertido, às voltas com a poesia de Ascenso e longe da balbúrdia criada pela massa. Havia decidido não escrever nada sobre essa festa odiosa, mas são 23h 40min e ainda há barulho de festa, música e fogos promovido por meus festivos conterrâneos. Escrevo então nessa postagem forçada compelido pelas…

O Nascimento da Nova França

É de uma doçura às vezes fácil isso de ir aprendendo devagar e displicentemente a se guiar nesta vida tropeçando o mínimo. Às vezes, entretanto (quase sempre), viver se mostra uma coisa que vai acontecendo triste e propensa ao naufrágio cotidiano no mar viscoso do todo dia. Qual é então o valor de prosseguir nessa…

O rocambole de liberdade e o enforcamento do ser

A vida é maior que qualquer obra, ela sim (e somente ela) é a composição inesgotável por excelência. Comporta todas as grandes obras e, mais do que isso, serve-lhes de matéria prima. Dentre todas as organizações, casuais ou propositais, feitas pela mão humana, a vida persiste como seu contexto mais geral, a moldura onde todas elas…