Arquivo do mês: novembro 2011

Convite e Agradecimentos

Em tudo o que se pretende arte (ser ou ao menos a ela referir-se) encontramos aventura imprevisível. De todo ofício impossível (analisar, educar, governar… dissertar) não se pode prever senão os começos: como numa enigmática partida de Xadrez em que … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Psicanálise | Marcado com , , , | 2 Comentários

Carta a Meu Filho (por Erich Kästner e Drummond)

“Afinal, eu quisera ter um filho Forte e inteligente como essas crianças de hoje. Só uma coisa me falta para esse menino. Falta-lhe apenas a mãe. Não é qualquer moça que serve para esse fim. Há longos anos eu a … Continuar lendo

Publicado em Amor, Ódio e Ignorância, Filosofia, Literatura, Poesia, Tempo | Marcado com , , , , , , , , , | 3 Comentários

Hunger ist Heilbar (por Erich Kästner e Drummond)

“O homem entrou no hospital e disse: “Não me sinto bem”. Então, extraem-lhe o apêndice e lavam-no com formol. “Sente-se melhor?” Responde: “Não. Mas os médicos dão-lhe coragem e cortam-lhe a perna esquerda, garantindo: “Agora vai ficar bom”. Continua a … Continuar lendo

Publicado em Poesia, Vida na Polis | Marcado com , , , , , , | 2 Comentários

Recado ao Senhor 903 (por Rubem Braga)

  “Vizinho, Quem fala aqui é o homem do 1003. Recebi outro dia, consternado, a visita do zelador, que me mostrou a carta em que o senhor reclamava contra o barulho em meu apartamento. Recebi depois a sua própria visita … Continuar lendo

Publicado em Crônicas, Ec-sistire, Fraternidade, Vida na Polis | Marcado com , , , | 2 Comentários

Informe aos Lituronautas

Informo aos visitantes que acabo de localizar e consertar um erro nas entranhas dos maquinismos deste blog. Induzido pela gentileza de um dos novos lituronautas (coisa tão incomum em nossa gente mas tão habitual na colmeia dos meus nobilíssimos visitantes) … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Tempo | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário