Poema (Anti)Natalino (por Fernando Mota)

NONEL
por Fernando Mota

“Um dia serei Natal
Liberto desse comércio
Sem shopping cheque cartão
Guichê no aperto de mão
Lucro na pele do abraço.

Um dia serei estrela
Ser sem comércio, poeira
Dust stardust compasso.
Raio no azul da piscina
Lição que a vida não ensina
Em si completa: nonada.”

Anúncios

Sobre Pedro Gabriel

www.lituraterre.com
Esse post foi publicado em Ec-sistire, Literatura, Poesia e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s