Poeminha Sentimental (por Mario Quintana)

“O meu amor, o meu amor, Maria
É como um fio telegráfico da estrada
Aonde vêm pousar as andorinhas…
De vez em quando chega uma
E canta
(Não sei se as andorinhas cantam, mas vá lá!)
Canta e vai-se embora
Outra, nem isso,
Mal chega, vai-se embora.
A última que passou
Limitou-se a fazer cocô
No meu pobre fio de vida!
No entanto, Maria, o meu amor é sempre o mesmo:
As andorinhas é que mudam.”

 

2 comentários Adicione o seu

  1. Wilza disse:

    Perfeito!! É incrível como ele consegue ser tão simples e objetivo por meio de metáforas tão belas. Que prazer.

    1. Pedro Gabriel disse:

      Wilza, “prazer” é o que de mais preciso pode-se dizer do efeito da poesia de Mario Quintana em nós. Nenhum outro tratado crítico pode ir mais fundo que isso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s