2010

Chovo eu também, bem aqui, em tema já tão molhado: um balanço do ano que quase finda. Iniciar este blog foi um dos projeto mais bem sucedidos de um ano atarefado e cheio de bons concorrentes disputando este posto. A empreitada superou qualquer boa expectativa que eu pudesse ter eventualmente estabelecido de início (coisa que não fiz, já que preferi entrar de peito aberto e sem nenhuma estratégia). Nos cinco meses de vida útil deste espaço tive o privilégio inenarrável de ser visitado 7,5 mil vezes, número ao meu ver muito positivo considerando-se a temática do site e o fato incontornável de residirmos num país sem leitores. O bom índice de visitas é no entanto motivo inferior para comemoração pois para além dele acumulei alguns bons amigos que se tornaram companhia constante em diálogo franco e troca de impressões e experiências de vida. Ao meu ver a popularidade verdadeira é a que se reflete nesse acúmulo de pares nessa experiência seca e invariavelmente solitária que é a vida. Diante da incumbência de atravessar de pé esse Grande Sertão, algo que faça semblant de objeto, marca de presença e nos ajude a obstaculizar de maneira própria o Real que insiste em aparecer é lucro. E o blog foi fonte inesgotável disso, foi um meio de aprender a desaprender: de andar desarmado e enfrentar o demônio fazendo consigo as necessárias alianças. Estes ganhos são os que vieram de fora, os de dentro (os benefícios que a escrita constante traz) são igualmente incontáveis, mas isso fica entre mim e a analista que sustento. Agradeço então emocionado todas as visitas, os comentários feitos em esfera particular ou pública, os convites recebidos: todos vocês foram poço que acrescentaram “águas para fazerem a minha sede” (J.G.R.).

Como último presente deste fim de ano deixo um aviso para enfrentarmos com dignidade essa perigosíssima, dangerosíssima época de festejos. Como diz o autor abaixo, Natal e Ano Novo despertam em nós os melhores sentimentos e isso sempre traz consequências terríveis.

 

As festas [Luís Fernando Veríssimo narrado por Paulo Autran] by lituraterre

 

Em 2011 sigamos juntos. O presente é imenso, não nos afastemos. Sigamos drummondianamente de mãos dadas.

Anúncios

Sobre Pedro Gabriel

www.lituraterre.com
Esse post foi publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Amor, Ódio e Ignorância, Ec-sistire, Mundo, vasto mundo..., Satiricômico e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

9 respostas para 2010

  1. É bom ter quem leia, melhor ainda quem converse e primordial quem saiba dividir alguns silêncios.

    Feliz 2011 meu caro.

  2. Carolina Vejarano disse:

    Perfeito! Feliz 2011

    • Pedro Gabriel disse:

      Obrigado Carolina. Você é uma das que agradeço pela companhia constante e a interlocução prazerosa. No ano que vem você é muito bem vinda e aqui e em todos os demais espaços, afinal foi você quem me ensinou a pronunciar Bárgas iôssa. 🙂

      • Carolina Vejarano disse:

        Bom saber que lhe ajudei de algum modo, sempre há o que aprender com o outro hehehehe 😉
        Gosto mesmo de visitar este blog sempre é uma forma de “pescar” escritas interessantes de tantos que admiro, além do que você mesmo escreve, que sempre é tão pertinente. Não comentei o de Clarice, mas aproveito para lhe dizer agora, muito bom!!!! Feliz 2011

      • Pedro Gabriel disse:

        Carolina, obrigado pelo retorno e por palavras tão generosas. Sigamos juntos em 2011. 🙂

  3. pedro:
    a coisa é boa por aqui.
    um abraço.
    romério

  4. Pingback: Tweets that mention 2010 | lituraterre -- Topsy.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s