Consoada (por Manuel Bandeira)

“Quando a Indesejada das gentes chegar
(Não sei se dura ou caroável),
talvez eu tenha medo.
Talvez sorria, ou diga:
– Alô, iniludível!
O meu dia foi bom, pode a noite descer.
(A noite com os seus sortilégios.)
Encontrará lavrado o campo, a casa limpa,
A mesa posta,
Com cada coisa em seu lugar.”

(Por Manuel Bandeira)

Anúncios

Sobre Pedro Gabriel

www.lituraterre.com
Esse post foi publicado em Passagem das Horas, Poesia e marcado , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Consoada (por Manuel Bandeira)

  1. Pingback: Recitando Consoada (por Manuel Bandeira) | lituraterre

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s