Poesia é pra essas coisas

Drummond em sua sala

O mundo é grande – nos lembra incessantemente Drummond – e nosso coração, ao contrário do que ele próprio imaginava na infância, não é maior que o este (o mundo). É tão menor, tão pequeno, que sequer pode conter adequadamente as dores que lhe cabem. O mundo é grande, mas infeliz e ironicamente muito pequeno para nos livrar do indesejável que tantas vezes se amontoa à nossa volta. A vida é breve, o tempo foge rápido como um felino. Mas não tão breve que somente guarde momentos dos quais nos enchemos de prazer em lembrar. Não obstante é preciso seguir adiante. Contra a necessidade é difícil negociar (a vida pequeno-grande-breve em seus imperativos). Entretanto na poesia (sobretudo nos soberanos escritos de Drummond) encontramos linhas para costurar nossa vida quando ferida. A poesia (ao menos a boa poesia) sempre nos presta um amparo quando se faz necessário escavar o vivido e encontrar nele o sentido que insiste em escapar e poder, havendo como, agir e modificar a vida em função do novo sentido construído. Jobim concordava conosco (comigo e Drummond). Tonzinho é um amigo comum, dessas companhias de dia e noite mais próximas que qualquer outro próximo. Não temos mais nos encontrado pessoalmente (a morte de ambos dificultou um pouco as coisas), mas nos mantemos em contato pelos escritos produzidos e imortalizados e nas janelas aberta pela tecnologia esburacando tempo, espaço e morte. Na janela abaixo Tom lê o Poema da Necessidade declarando o amor comum que sentimos pela obra de Carlos de Itabira. Também para ele essa poesia era luz no meio da treva.

Anúncios

Sobre Pedro Gabriel

www.lituraterre.com
Esse post foi publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Amor, Ódio e Ignorância, Diário, Literatura, Poesia, Procura da Poesia e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

6 respostas para Poesia é pra essas coisas

  1. Pedro Poeta

    Gostei muito dessa postagem, pela escrita e ousadia.Explico.Ontem, postei algo como : viver agora, só em detalhes.Escreví para ouvir.Aprender.Daí, continuei, dizendo que no meio do caminho, um poema.E que os poemas só t~em algum sentido se deles podemos usar, tal qual o foga, a roda e as lanças.Você, escreveu a que vêem, de forma independente , inclusive usando o eu e Drummond, de Itabira. Adorei a autorização. é que ainda sou nova hehe, nesses teares mas sinto pulsar o testemunho.Abraço, Cecília.

  2. Ana Oliveira disse:

    Tonzinho? Adooro! É preciso precisar, enfim… No dia em que chegarmos à conclusão de que não é preciso mais precisar (de nada nem de ninguém), este será o dia de morrer. Ne c’est pas, mon ami? Bjs

    • Pedro Gabriel disse:

      É preciso precisar do outro. E é preciso prescindir do Outro, dar-lhe uma rasteira, dizer-lhe “no meu juízo você não goza mais”. É preciso prescindir das causas (todas elas) perdidas. Obrigado pela leitura fiel e constante. Você é ouvido valioso para o quase nada que tenho a não dizer.

  3. Recentemente Herminio Bello de Carvalho, ainda vivo, lançou um livro sobre as cartas que trocava com Drummond.

    Os versos do poema me lembram a música do Chico César, que pode muito bem ter se inspirado neste poema. “Espinha Dorsal do Mim”

    E juntar Drummond e Jobim no mesmo post é covardia, é público garantido.

    • Pedro Gabriel disse:

      Prezado amigo, agradeço o comentário. Tenho apreciado nossa troca de mensagens em miniatura via Twitter onde parece ser possível também dizer algo sobre o Ser. Não conhecia a música do Chico César. Sobre as cartas de Drummond, caso tenha interesse (e se ainda não conhecer) dâ uma olhada em “Carlos e Mário” (pela Editora Bem-te-vi). Trata-se da imprescindível correspondência trocada entre Drummond e Mario de Andrade. Carlos dirá ao final de sua vida que essa troca de correspondencias foi a mais importante para sua poesia (e não menos importante para Mario de Andrade, a semana de 20 e o modernismo brasileiro em geral). Enorme abraço.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s