Aos de Casa (por Vinícius de Moraes)

“Este caderno é meu. E é proibido
Arrancar “issozinho” do caderno.
Pra quem tiver a “ursada” cometido –
– caldeiras de aço líquido – no inferno!

Quem de “papel” tiver necessidade
Por “aperto” ou razões outras quaisquer
Há muitas papelarias na cidade
Ou cá na Gávea mesmo se quiser.

Mas bulir neste bloco eu não permito
Não façam tal “papel” porque eu me irrito
A cleptomania é um feio vício!

Não é usura não. A coisa é nossa
Temos o mesmo sangue, a mesma bossa:
– Somos oficiais do mesmo ofício.”

(Poema registrado pelo menino Vinícius de Moraes para proteger seu primeiro caderno de registros pessoais. Possivelmente seu primeiro Soneto)

Anúncios

Sobre Pedro Gabriel

www.lituraterre.com
Esse post foi publicado em Belas Artes, Diário e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s