A Mó de Moinho e o Maquinismo Sujo do Amor

O ser humano nasceu para o fracasso. A glória o deturpa, desfigura. Qualquer mínima conquista (como dizia o Anjo Pornográfico) por menor que seja empalha o conquistador como se ele tivesse dentro de si algodão ao invés de vísceras vivas. No Grande Sertão, que como o nosso é mundo de muita doideira e pouca razão, Riobaldo enuncia sua lei: quem vence, é custoso não ficar com a cara de demônio. Na Odisseia de Homero gloria era um atributo bélico: a preferência no merecimento das pilhagens. A glória é a peleja e o homem, como diz um amigo querido, nasceu mesmo pra boiar. Quando calça a bota da palavra ele subverte sua natural aparelhagem ao isolamento e à solidão: criando sentidos trái sua condição de bicho que se deu ao desespero de si. A glória nasce da pertença às grandes hordas ou, o que ainda é pior, de alguém se levar a sério. Na vida a Peleja por excelência é o amor: esse jogo muito, muito sujo onde o sucesso vai depender sempre de lesar o outro em algum nível: é o inferno da falta, a festa da desforra, passado passado a limpo sambando amor nas vísceras dominadas do outro. Ou se fracassa no amor ou se é fracassado pelo amor glorioso: não parece haver meio-termo. Amor é o diabo dentro da gente. Melhor não amar, melhor fracassar e manter o rosto digno e sem as feições de capeta. Melhor deixar que o que naturalmente se gasta vá se gastanto dentro da gente, aos pouquinhos, é o razoável sofrer que nos reconcilia com o trágico. A lição que pode trazer o amor é alimentar em nós a chama da suprema descrença no caráter das pessoas e num mundo além do mundo. O velho Guima estava transbordando de razão quando disse que gente é Mó de Moinho que, nela não caindo o que moer, mói assim mesmo, si mesma, mói, mói. Velho Guima, sobre tua sepultura lanço as Rosas dessa questão: A pedra de moenda ao girar tritura algo: o grão que é outro ou a pedra que é si mesma. Não seria esse o maquinismo do amor?

Diário do Volga 19/08/2010

Anúncios

Sobre Pedro Gabriel

www.lituraterre.com
Esse post foi publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Amor, Ódio e Ignorância, Diário e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

6 respostas para A Mó de Moinho e o Maquinismo Sujo do Amor

  1. wilza disse:

    Menino, muito bom. Ah, a complexidade do amor… é uma desgraça mesmo… Gostei muito do seu blog! Parabéns! Bju

  2. cinthia disse:

    Parabéns pelo blog…embora complexo, não acredito que o maor seja um jogo sujo…bjos

  3. cinthia disse:

    …o amor!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s