Campo Geral (por Guimarães Rosa)

Ilustração de Poty para a obra “Sagarana”

“Quem quiser saber meu nome
carece perguntar não:
eu me chamo lenha seca,
carvão de barbatimão…”

“Amarro fitas no raio,
formo as estrelas em par,
faço o inferno fechar porta,
dou cachaça ao sabiá,
boto gibão no tatu,
calço espora em marruá;
sojigo onça pelas tetas,
mò de os meninos mamar!”

“Ô ninho de passarim,
ovinho de passarinhar:
se eu não gostar de mim,
quem é mais que vai gostar?”

ROSA, João Guimarães. “Campo Geral”. In: Manuelzão e Miguilim (Corpo de Baile). 7. ed. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1977, pp. 90-99.

Anúncios

Sobre Pedro Gabriel

www.lituraterre.com
Esse post foi publicado em Amor, Ódio e Ignorância, Literatura, Poesia e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s