O Duplo (por Affonso Romano de Sant’Anna)

“Debaixo de minha mesa tem sempre um cão faminto -que me alimenta a tristeza… Debaixo de minha cama tem sempre um fantasma vivo -que perturba quem me ama. Debaixo de minha pele alguém me olha esquisito -pensando que sou ele. Debaixo de minha escrita há sangue em lugar de tinta -e alguém calado que grita.”…

Não se Mate (por Drummond)

“Carlos, sossegue, o amor é isso que você está vendo: hoje beija, amanhã não beija, depois de amanhã é domingo e segunda-feira ninguém sabe o que será. Inútil você resistir ou mesmo suicidar-se. Não se mate, oh não se mate, Reserve-se todo para as bodas que ninguém sabe quando virão, se é que virão. O…