O Rio (por Manuel Bandeira)

Abaixo apresento aos meus leitores um outro rio. Não o rio espinha de peixe com padrão duro de poeta pretensa e mentirosamente anti-lírico, mas rio caudaloso de lirismo sobressalente e assumido. Em seu “Poética”, Manuel Bandeira se diz farto do lirismo comedido e bem comportado apelidado ironicoepifanicamente de “lirismo funcionário público com livro de ponto…

Procura da Poesia

O que é Poesia? O que faz um punhado de palavras ser mais do que um chocalho de fonemas? O que faz a palavra, transformada em poesia, ter a força reveladora da poiesis que prepara (ou ao menos confronta) o homem para a morte? O sentido originário da poesia dissocia-a das frases de efeito e…