Arquivo da tag: Morte

Vinte e cinco anos depois, vinte e cinco vivas a “Os Mortos”

Os Vivos e os Mortos (The Dead, 1987) é um filme extraordinário de um diretor excepcional. Foi dirigido pelo americano John Huston, nascido na pacata Nevada de 1906, há exatos 25 anos, tendo envelhecido muito bem (ambos, aliás, criatura e … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...) | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

A Partida (por Augusto Frederico Schmidt)

“Quero morrer de noite. As janelas abertas Os olhos a fitar a noite infinda Quero morrer de noite. Irei me separando aos poucos Me desligando devagar. A luz das velas envolverá meu rosto lívido. Quero morrer de noite. As janelas … Continuar lendo

Publicado em Corpo, Ec-sistire, Música, Mundo, vasto mundo..., Passagem das Horas, Poesia | Marcado com , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Dia do Trabalho com Drummond: Elegia 1938

Não somente em homenagem aos oito operários enforcados em Chicago (saudados anualmente por todo o mundo nesse primeiro de maio), mas em cumplicidade a todos os demais sufocados pelo tédio da vida que se apega em nós oleosamente como gordura … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Literatura, Mundo, vasto mundo..., Passagem das Horas | Marcado com , , , , , , , , , , , | 1 comentário

EsClaricendo

Meu reflexo encontrado no profundo vazio especular se  reflete naquilo que leio em Clarice Lispector. Ali encontro eu próprio, meus nós, meus deslindes, o emaranhado supremo da vida. Lá encontro também uma Vereda, um caminho por onde atravessar a nuvem … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Ec-sistire, Procura da Poesia | Marcado com , , , , , | 2 Comentários

Contra a foice do tempo é vão o combate

“Quando a hora dobra em triste e tardo toque E em noite horrenda vejo escoar-se o dia, Quando vejo esvair-se a violeta, ou que A prata a preta têmpora assedia; Quando vejo sem folha o tronco antigo Que ao rebanho … Continuar lendo

Publicado em Literatura, Passagem das Horas, Poesia, Tempo | Marcado com , , , , , | 2 Comentários

Inscrição para uma Lareira (por Mario Quintana)

“A vida é um incêndio: nela dançamos, salamandras mágicas Que importa restarem cinzas se a chama foi bela e alta? Em meio aos toros que desabam, cantemos a canção das chamas! Cantemos a canção da vida, na própria luz consumida…”

Publicado em Ec-sistire, Poesia | Marcado com , , , , , , , | 2 Comentários

Profundamente

Como Drummond sou Fazendeiro de Ar. Meu roçado é de palavras, meu gado de ilusão (que foge continuamente na forma de amarga desilusão, verdadeiro e natural sentimento do mundo). Recolhido em minha campânula de vidro sigo meus dias protegido desse … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Amor, Ódio e Ignorância, Diário, Filosofia, Mundo, vasto mundo..., Passagem das Horas | Marcado com , , , , , , , | 2 Comentários