Arquivo da tag: Mario Quintana

Poema da Gare do Astapovo (por Mario Quintana)

“O velho Leon Tolstoi fugiu de casa aos oitenta anos E foi morrer na gare de Astapovo! Com certeza sentou-se a um velho banco, Um desses velhos bancos lustrosos pelo uso Que existem em todas as estaçõezinhas pobres do mundo, … Continuar lendo

Publicado em Poesia, Procura da Poesia | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

Inscrição para uma Lareira (por Mario Quintana)

“A vida é um incêndio: nela dançamos, salamandras mágicas Que importa restarem cinzas se a chama foi bela e alta? Em meio aos toros que desabam, cantemos a canção das chamas! Cantemos a canção da vida, na própria luz consumida…”

Publicado em Ec-sistire, Poesia | Marcado com , , , , , , , | 2 Comentários

Pequena Crônica Policial (por Mario Quintana)

“Jazia no chão, sem vida, E estava toda pintada! Nem a morte lhe emprestara A sua grave beleza… Com fria curiosidade, Vinha gente a espiar-lhe a cara, As fundas marcas da idade, Das canseiras, da bebida… Triste da mulher perdida … Continuar lendo

Publicado em Crônicas, Literatura, Poesia, Quadrante | Marcado com , , , | 4 Comentários

Horror (Quintana e Munch)

  “Horror: Com os seus OO de espanto, seus RR guturais, seu hirto H, HORROR é uma palavra de cabelos em pé, assustada da própria significação.” (texto de Mario Quintana para o Caderno H)

Publicado em Poesia | Marcado com , , , | 4 Comentários

Enquanto houver Cecília…

A poesia nos espreita de perto e de longe. No caso do meu querido Quintana o vigiou desde muito cedo. Ainda quando criança a poesia o encarava do lado de fora do vidro por onde escorria a chuva que não … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Amor, Ódio e Ignorância, Belas Artes | Marcado com , , , , , | 4 Comentários

Soneto XVII (por Mario Quintana)

“Da vez primeira que me assassinaram Perdi um jeito de sorrir que eu tinha… Depois, de cada vez que me mataram. Foram levando qualquer coisa minha… E hoje, dos meus cadáveres, eu sou O mais desnudo, o que não tem … Continuar lendo

Publicado em Amor, Ódio e Ignorância, Literatura, Poesia | Marcado com , , | Deixe um comentário

Eu? Passarinho!

“Minha poesia sou eu mesmo, nunca escrevi uma linha sequer que não fosse uma confissão”, revela Quintana em uma das muitas entrevistas chatas que concedeu (quando invariavelmente lhe perguntava quantos livros escreveu, se a vida lhe trouxe satisfação e qual … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Literatura, Poesia | Marcado com , , | 9 Comentários

Velha História (Mario Quintana e Cláudia Jouvin)

Titulo do filme: VELHA HISTÓRIA Gênero: Animação Diretor: Cláudia Jouvin – RJ Roteiro: poema de Mario Quintana Ano: 2004 Duração: 6 min Cor: Colorido Bitola: 35mm Ficha técnica completa e premiação Velha História   Gênero Animação Diretor Cláudia Jouvin Ano 2004 … Continuar lendo

Publicado em Amor, Ódio e Ignorância, Literatura, Poesia | Marcado com , , | 2 Comentários

Os Tweets do Passarinho Quintana

  Mário Quintana é dono de uma das poesias mais satiricômicas de que se tem notícia em nosso idioma. Não à toa nasceu em numa cidade de nome “Alegrete”, que anunciava o destino incontornável de seu estilo literário. Como eu, … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Literatura, Poesia | Marcado com , , , , , , | 2 Comentários