Arquivo da tag: João Cabral

Carta a um amigo enfermo

Queridíssimo amigo, Sua mensagem me enche de alívio pelo que comporta de auspiciosa quanto ao afastamento do que (me parece) de mais grave poderia implicar em um diagnóstico. Afastada a tumoração, entendo que muito provavelmente o outro diagnóstico (qualquer que … Continue lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...) | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Poema de Desintoxicação (por João Cabral de Melo Neto)

“Em densas noites com medo de tudo: de um anjo que é cego de um anjo que é mudo. Raízes de árvores Enlaçam-me os sonhos No ar sem aves vagando tristonhos. Eu penso o poema da face sonhada, metade de … Continue lendo

Publicado em Amor, Ódio e Ignorância, Literatura, Poesia | Marcado com , , , , , | 1 Comentário

Poema para a Feira do Livro (por João Cabral de Melo Neto)

Para Ángel Crespo “Folheada, a folha de um livro retoma o lânguido vegetal de folha folha, e um livro se folheia ou se desfolha como sob o vento a árvore que o doa; folheada, a folha de um livro repete … Continue lendo

Publicado em Literatura | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

Cartão de Natal (por João Cabral de Melo Neto)

“Pois que reinaugurando essa criança pensam os homens reinaugurar a sua vida e começar novo caderno, fresco como o pão do dia; pois que nestes dias a aventura parece em ponto de vôo, e parece que vão enfim poder explodir … Continue lendo

Publicado em Amor, Ódio e Ignorância, Ec-sistire, Passagem das Horas | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Ascenso, o princípio

Ascenso Ferreira foi o responsável pelo meu primeiro alumbramento poético. Embora meu primeiro arrebatamento tenha se dado de maneira definitiva com João Cabral e sua poesia pluvial, minha alma aprendeu por primeiro a respirar sorvendo o sopro da poesia cotidiana … Continue lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Ec-sistire, Literatura, Passagem das Horas, Poesia, Procura da Poesia, Tempo | Marcado com , , , , , , | Deixe um comentário

O Rio (por João Cabral de Melo Neto)

De uma recitação fluente e ritmada como o é o fluxo do rio, apresento João Cabral de Melo Neto, um dos maiores poetas de nosso e de todos os idiomas. Cabral é duro como a Pedra que sempre cantou. Dono … Continue lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Poesia, Procura da Poesia | Marcado com , , , | 4 Comentários