Arquivo da tag: Infância

Infância do Velho Graça

“A primeira coisa que guardei na memória foi um vaso de louça vidrada, cheio de pitombas, escondido atrás de uma porta. Ignoro onde o vi, quando o vi, e se uma parte do caso remoto não desaguasse noutro posterior, julgá-lo-ia … Continuar lendo

Publicado em Literatura | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

História (sempre) mal contada… (por Mia Couto)

“História de um homem é sempre mal contada. Porque a pessoa é, em todo o tempo, ainda nascente. Ninguém segue uma única vida, todos se multiplicam em diversos e transmutáveis homens. Agora, quando desembrulho minhas lembranças eu aprendo meus muitos … Continuar lendo

Publicado em Conto | Marcado com , , , , , , , | Deixe um comentário

Anoitecer (por Carlos Drummond de Andrade)

“É a hora em que o sino toca, mas aqui não há sinos; há somente buzinas, sirenes roucas, apitos aflitos, pungentes, trágicos, uivando escuro segredo; desta hora tenho medo É a hora em que o pássaro volta, mas de há … Continuar lendo

Publicado em Amor, Ódio e Ignorância, Literatura, Poesia | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

Ascenso, o princípio

Ascenso Ferreira foi o responsável pelo meu primeiro alumbramento poético. Embora meu primeiro arrebatamento tenha se dado de maneira definitiva com João Cabral e sua poesia pluvial, minha alma aprendeu por primeiro a respirar sorvendo o sopro da poesia cotidiana … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Ec-sistire, Literatura, Passagem das Horas, Poesia, Procura da Poesia, Tempo | Marcado com , , , , , , | Deixe um comentário

Breve Ponderação sobre o Trem de Ascenso

Composto com a mesma cadência do som do comboio arrastando-se melodiosamente pelos trilhos, o poema de Ascenso além da beleza prosódica traz o registro de um mundo lindo que não mais existe. O entremeio obscuro (entre os iluminados das cidades) … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Diário, Literatura, Poesia | Marcado com , , , , , , | Deixe um comentário

Recordações do “Caminho de Casa”

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Ec-sistire, Literatura, Mundo, vasto mundo..., Tempo | Marcado com , , , , , , | 4 Comentários

Caminho de Casa

Sinto um ardor de amante pelo caminho que me leva à cidade onde nasci. Percorri tal caminho, transido de amor macio, durante as festas do Filho de Isabel – festa das fogueiras e luzes – em busca de alguma chama … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Amor, Ódio e Ignorância, Diário, Ec-sistire, Tempo | Marcado com , , , , , , , , | 2 Comentários

Fragmento de Nova Antologia Poética (por Quintana)

“Oh! aquele menininho que dizia “Fessora, eu posso ir lá fora?” Mas apenas ficava um momento Bebendo o vento azul… Agora não preciso pedir licença a ninguém. Mesmo porque não existe paisagem lá fora: Somente cimento. O vento não mais … Continuar lendo

Publicado em Mundo, vasto mundo..., Passagem das Horas, Poesia, Tempo | Marcado com , , , , , | 2 Comentários

Aula Inaugural no São João (Borges e Quintana)

Para Quintana, poeta e menino de aquário protegido como eu dos ruídos desse mundo intenso, a dança, como a poesia, apresentava-se como um luzeiro de esperança no oco do tenebroso da existência. Ritmo e poesia acendiam-se iluminando uma vereda na … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Amor, Ódio e Ignorância, Mundo, vasto mundo..., Poesia | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário