Arquivo do mês: fevereiro 2012

Oração de Fazer Poeta

Meu caro Santo Drummond Bandeira de São Manuel, Carente está meu papel D’um verso denso e bom. Com métrica, rima e som Mandai-me do último céu, Um verso talhado a cinzel Oh Santos da letra do dom. Se a Moderna … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...) | Marcado com , , , , , , , | 8 Comentários

Palhaço (executado por Baden Powell)

“Sei que é doloroso um palhaço Se afastar do palco por alguém Volta, que a plateia te reclama Sei que choras palhaço Por alguém que não lhe ama. Enxuga os olhos E me dá um abraço Não te esqueças Que … Continuar lendo

Publicado em Música | Marcado com , , , , , , , , | Deixe um comentário

A Revolução dos Idiotas (por Nelson Rodrigues)

“As épocas são mais inteligentes ou menos inteligentes. Mais sóbrias ou menos nobres, românticas ou cínicas, perversas ou heróicas, etc. etc. Nos coube por fatalidade uma das épocas débeis mentais e das mais espantosas da história. Há uma debilidade mental … Continuar lendo

Publicado em Crônicas, Mundo, vasto mundo... | Marcado com , , , | 2 Comentários

Trecho de Flauta de Papel (por Manuel Bandeira)

“— Era leproso. — E morreu de lepra? — Morreu. Mas além de leproso era tuberculoso. — Coitado! — E tinha sífilis também. — Era exagerado.”

Publicado em Passagem das Horas, Poesia | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Nel mezzo del camin… (por Olavo Bilac)

“Cheguei. Chegaste. Vinhas fatigada E triste, e triste e fatigado eu vinha. Tinhas a alma de sonhos povoada, E a alma de sonhos povoada eu tinha… E paramos de súbito na estrada Da vida: longos anos, presa à minha A … Continuar lendo

Publicado em Poesia | Marcado com , , , , , | 2 Comentários

Soneto Inglês n° 1 (por Manuel Bandeira)

“Quando a morte cerrar meus olhos duros – Duros de tantos vãos padecimentos, Que pensarão teus peitos imaturos Da minha dor de todos os momentos? Vejo-te agora alheia, e tão distante: Mais que distante – isenta. E bem prevejo, Desde … Continuar lendo

Publicado em Amor, Ódio e Ignorância, Poesia | Marcado com , , , , , , | 2 Comentários

Enganei-me, enganei-me… paciência! (por Tomás Antônio Gonzaga)

“Enganei-me, enganei-me – paciência! Acreditei as vozes, cri, Ormia, que a tua singeleza igualaria à tua mais que angélica aparência. Enganei-me, enganei-me – paciência! Ao menos conheci que não devia pôr nas mãos de uma externa galhardia o prazer, o … Continuar lendo

Publicado em Amor, Ódio e Ignorância | Marcado com , , , , | Deixe um comentário