Arquivo do mês: setembro 2011

Evocação do Recife (por Manuel Bandeira)

* Narração do próprio Manuel Bandeira “Recife Não a Veneza americana Não a Mauritsstad dos armadores das Índias Ocidentais Não o Recife dos Mascates Nem mesmo o Recife que aprendi a amar depois – Recife das revoluções libertárias Mas o … Continuar lendo

Publicado em Arquitetura, Belas Artes, Ec-sistire, Mundo, vasto mundo..., Poesia | Marcado com , , , , , , , | 4 Comentários

Balada das Três Mulheres do Sabonete Araxá (por Manuel Bandeira)

* Narração de Juca de Oliveira “As três mulheres do sabonete Araxá me invocam, me [bouleversam, me hipnotizam. Oh, as três mulheres do sabonete Araxá às 4 horas da tarde! O meu reino pelas três mulheres do sabonete Araxá! Que … Continuar lendo

Publicado em Amor, Ódio e Ignorância, Poesia | Marcado com , , , , , , , | Deixe um comentário

Tristeza, riso, poesia

Não há vida feliz. Ao contrário do que as pessoas comuns vulgarmente repetem (que em todos os momentos da historia sempre se buscou a felicidade como objetivo maior de qualquer vida) a felicidade é uma construção recente: é moderna, filha … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Amor, Ódio e Ignorância, Ec-sistire, Literatura, Mundo, vasto mundo... | Marcado com , , , , , , , , | 4 Comentários

O Herói Sujo

A echarpe e o chapéu coco seriam insuficientes, mas eram todo o arsenal de que Olia Ginsburg dispunha para lutar contra o inverno parisiense que naquele ano havia reinado rigoroso pelos domínios gauleses. Com estes atravessara a cidade em direção … Continuar lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Amor, Ódio e Ignorância, Cinema, Crônicas, Música | Marcado com , , , , , , , , | Deixe um comentário

Contra a foice do tempo é vão o combate

“Quando a hora dobra em triste e tardo toque E em noite horrenda vejo escoar-se o dia, Quando vejo esvair-se a violeta, ou que A prata a preta têmpora assedia; Quando vejo sem folha o tronco antigo Que ao rebanho … Continuar lendo

Publicado em Literatura, Passagem das Horas, Poesia, Tempo | Marcado com , , , , , | 2 Comentários

Atualização

Atualizado o post Monstrengo com a narrativa do poema por Paulo Autran. Confiram aqui.

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Diário | Marcado com , , | Deixe um comentário

Já que dura tão pouco a flor dos anos…

“Já Marília cruel, me não maltrata saber que usas comigo de cautelas, qu’inda te espero ver por causa delas, arrependida de ter sido ingrata Com o tempo, que tudo desbarata, teus olhos deixarão de ser estrelas; verás murchar no rosto … Continuar lendo

Publicado em Amor, Ódio e Ignorância, Literatura, Poesia | Marcado com , , , , , , , | Deixe um comentário