Arquivo do mês: abril 2011

O Dia Deu em Chuvoso (por Fernando Pessoa)

“O dia deu em chuvoso. A manhã, contudo, esteve bastante azul. O dia deu em chuvoso. Desde manhã eu estava um pouco triste. Antecipação! Tristeza? Coisa nenhuma? Não sei: já ao acordar estava triste. O dia deu em chuvoso. Bem … Continue lendo

Publicado em Literatura, Poesia | Marcado com , | Deixe um comentário

Um dia de chuva

Publicado em Literatura, Poesia | Marcado com , | Deixe um comentário

Chove? Nenhuma Chuva Cai… (por Fernando Pessoa)

“Chove? Nenhuma chuva cai… Então onde é que eu sinto um dia Em que ruído da chuva atrai A minha inútil agonia ? Onde é que chove, que eu o ouço? Onde é que é triste, ó claro céu? Eu … Continue lendo

Publicado em Literatura, Poesia | Marcado com , | 4 Comentários

Chove. Há Silêncio. (por Fernando Pessoa)

“Chove. Há silêncio, porque a mesma chuva Não faz ruído senão com sossego. Chove. O céu dorme. Quando a alma é viúva Do que não sabe, o sentimento é cego. Chove. Meu ser (quem sou) renego… Tão calma é a … Continue lendo

Publicado em Literatura, Poesia | Marcado com , | Deixe um comentário

A Noite Dissolve os Homens (por Drummond)

“A noite desceu. Que noite! Já não enxergo meus irmãos. E nem tão pouco os rumores que outrora me perturbavam. A noite desceu. Nas casas, nas ruas onde se combate, nos campos desfalecidos, a noite espalhou o medo e a … Continue lendo

Publicado em Literatura, Poesia | Marcado com , , , , , | 10 Comentários

Bom Dia

CANÇÃO PARA ÁLBUM DE MOÇA (por Carlos Drummond de Andrade) “Bom dia: eu dizia à moça que de longe me sorria. Bom dia: mas da distância ela nem me respondia. Em vão a fala dos olhos e dos braços repetia … Continue lendo

Publicado em Literatura, Poesia | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Aquela mulher do demo

Disponibilizei no post onde transcrevo o texto de Caso do Vestido o áudio da narração feita pelo próprio Drummond. Na narrativa grave de seu autor, sentimos pungentemente como a dona de longe, antes mergulhada em soberba, foi inteiramente desfalcada em … Continue lendo

Publicado em (... LITURAS PRÓPRIAS ...), Amor, Ódio e Ignorância, Ec-sistire, Literatura, Poesia | Marcado com , , , , , , | Deixe um comentário

Drummond, Jobim e a Necessidade

Poema da necessidade lido por Antônio Carlos “meu amor” Jobim:

Publicado em Literatura, Poesia | Marcado com , , | Deixe um comentário

Carlos Flávio

Carlos Flávio: o que viveu meia hora.

Publicado em Literatura, Mundo, vasto mundo... | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Segredo (por Drummond)

“A poesia é incomunicável. Fique torto no seu canto. Não ame. Ouço dizer que há tiroteio ao alcance do nosso corpo. É a revolução? o amor? Não diga nada. Tudo é possível, só eu impossível. O mar transborda de peixes. … Continue lendo

Publicado em Literatura, Poesia | Marcado com , , | Deixe um comentário